Seguidores

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Hoje sou águia,amanhã andorinha.mas caça jamais!




Hoje sou águia, amanhã andorinha, mas caça jamais!

Sou independente,
porque tenho coração de águia
e voo com asas de anjo da guarda,
sobreponho-me a ideias fixas,
sobrevivo sobrevoando com o
meu ar de ave de rapina.

Não passo de figurino num elenco meio selvagem,
Nas cenas tanto faço de forte como de frágil,
Com cada dia que amanhece
ganho mais força e coragem,
Nas cenas cortadas, ainda há vestígios de
toda a minha difícil aprendizagem.

Não é fácil sentir desordem em todos os sentimentos,
Quando as peças se soltam, por conseguinte
não se encaixam,
Mas os obstáculos jamais me ultrapassam,
Apesar de sozinha, lutarei contra todos
a favor dos mais belos ideais,
Hoje sou águia, amanhã andorinha, mas caça jamais!

(Carla Costeira)
Imagem de pesquisas do google

Aves de Aribação Poema



Pensava em ti nas horas de tristeza,
Quando estes versos pálidos compus,
Cercavam-me planícies sem beleza,
Pesava-me na fronte um céu sem luz.

Ergue este ramo solto no caminho.
Sei que em teu seio asilo encontrará.
Só tu conheces o secreto espinho
Que dentro d'alma me pungindo está.
Fagundes Varela

Aves, é primavera! à rosa! à rosa!
(Tomás Ribeiro)

Imagem do google
Fonte http:/Otempovida.blogspot.com

Aves de Arribação Portugal


Outra ave de arribação -uma garça real ou pernalta- já perfeitamente adaptada aos hábitos nabantinos. Tal como muitos tomarenses, consegue dormir sempre bem e em qualquer lado.


Tomar sempre foi e continua a ser muito hospitaleira para as aves de arribação. Sobretudo as de asa negra, vindas dos lados do bacalhau de "asa branca". Nesta foto um corvo marinho, ou #cormoran" terrível predador dos peixes pequenos, pois aos outros nem os caça por não lhes poder "dar a volta" para os ingurgitar.

Lenda do Biguá


Entre os índios guaranis é conhecida uma lenda sobre o Biguá. Conta-se que era um índio muito forte e jovem que vivia feliz com sua bela esposa chamada Yerutí, em sua choça, nas proximidades de um grande rio.
Entretanto, a beleza da jovem despertou a cobiça de Capiberá, outro guerreiro índio, possuidor de uma índole muito má.
Aproveitando-se da ausência de Biguá, que havia saído para pescar, raptou Yerutí e levou-a para bem longe, amarrada em uma canoa.
Ao retornar, não encontrando sua amada esposa, foi avisado que seu desaparecimento era obra de Capiberá. Desesperado, parte em busca de seu inimigo. Perseguido por Biguá, Capiberá foi alcançado e morto. Entretanto, sua frustração foi intensa, quando sua companheira não foi encontrada.
Partiu imediatamente, buscando-a por todos os lugares que conhecia. Gritou em altos brados o nome de Yerutí, às margens do rio, no interior da selva, mas somente o eco devolvia seu angustioso chamado.
Vencido pelo cansaço e pela falta de esperança de encontrar sua esposa com vida, jogou-se nas águas profundas do rio, porque suspeitava que justamente ali teria perecido a bela Yerutí. Buscou-a mergulhando profundamente no rio, na selva, mas só o eco devolvia o seu angustioso chamado. Vencido pelo cansaço, começava acreditar que havia perecido sua amada Yerutí.
Depois de algum tempo, seus irmãos da tribo avistaram uma ave negra que voava insistentemente sobre a choça que haviam morado o feliz casal, para em seguida embrenhar-se na selva e se jogar nas águas do inquieto rio.
Ao consultarem o feiticeiro, esse garantiu que o tal pássaro era Mbiguá que transformado em ave seguia buscando sua doce companheira.
Esta é uma linda lenda que nos fala sobre o amor das aves. Os pássaros, sem dúvida, amam como nós e talvez com mais ternura e devotamento.
Em algumas espécies, os casais nunca se separam, pois grande é a intimidade que os une. Todos que conhecem o comportamento das aves na natureza, sabem que não estou poetizando.
Se um se separa do outro distraidamente e desse torna-se oculto, o que dá falta do companheiro trata de perguntar por onde ela anda. Logo se comunicam e, embora não se vejam, cada qual fica tranqüilo, mas nunca antes de repetir a "pergunta" e receber, infalivelmente a "resposta".
Caso algum desalmado caçador venha abater um dos cônjuges, podemos observar uma cena pungente. O viúvo lança seu apelo lamentoso, chama inquieto o seu par, corre por todos os cantos, não tem mais sossego nem cuidado com sua pessoa, não mais se esconde, como que suplicando ao caçador que o mate também, pois sua vida não tem mais sentido.


Rosane Volpatto
Fonte: www.rosanevolpatto.trd.br

Flamingo Rosa (soneto)


Flamingo rosa, minha alegria
Regressas sempre p’la tardinha
Trazes beleza e simpatia
À natureza amiguinha

Minha ave de lindas cores
Que bonito é esse porte
Tua pena macia, como flores
Tornam meu coração bem forte

Ó flamingo, flamingo rosa
Doce afago de minha alma
fazes minha vida amorosa

Ofereces-me um fiel amor
Da tua plumagem de cor calma
A meu coração cheio de ardor

De: fernando Ramos
18.7.2006


imagem do google

A Fauna e Suas Belezas !


AVES DO MEU TEMPO

smileys falando

.

.
Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês.Quando fechas o livro, eles alçam vôo como de um alçapãoEles não têm pouso nem portoalimentam-se um instante em cada par de mãos e partem.E olhas, então, essas tuas mãos vazias,no maravilhado espanto de saberes que o alimentodeles já estava em ti... (Mario Quintana) .

.

.
.

...

...
"A renovação (águia de Fogo) Fenix ...devemos aprender com a águia, a ave que voa mais perto do Céu, que vê longe e também tem mais tempo de vida. Ela pode viver até 70 anos! Mas, para chegar a essa idade, ao chegar aos 40 anos, ela precisa tomar uma decisão muito difícil. Devido às suas unhas estarem muito encurvadas, já não consegue mais agarrar suas presas para se alimentar. E seu bico, longo e pontiagudo, fica curvado, voltando-se contra seu peito. As suas penas crescem e se avolumam demais, de forma que suas asas tornam-se pesadas e, assim, fica difícil para ela voar. Para continuar a viver, ela tem de enfrentar um doloroso processo de renovação, o qual dura 150 dias. Ela se dirige a algum lugar próximo a uma parede – onde não necessite voar. Então, começa a bater o bico contra a pedra, até arrancá-lo. Depois, espera até que lhe cresça um bico novo, para que possa desprender suas unhas, uma por uma. Em seguida, espera que estas cresçam, para que possa arrancar as penas. A águia tem de decidir arrancá-los para que estes sejam renovados. Assim, com o bico, as unhas e asas novas, ela pode voar e sobreviver novamente.”
Related Posts with Thumbnails