Seguidores

sábado, 25 de junho de 2011

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Águia Imperial




Considerada extinta como reprodutora na década de 70 do século XX, a Aquila Adalberti é uma das espécies criticamente em perigo que ainda sobrevoam o continente português. A ave de rapina, que de asas abertas atinge os dois metros, gosta de construir os ninhos nas copas de sobreiros e azinheiras, tendo como terreno de caça o pasto e matagais das áreas de montado. Nidifica em Espanha, onde se contam 235 casais, e recomeçou a nidificar em Portugal em 2003, na Beira Baixa e no Alentejo. Por cá não vão além dos 5 casais, que tiveram necessidade de se expandir para este lado da fronteira, fruto dos projetos de conservação espanhóis. Já foram mais, mas nos últimos anos uma foi abatida no Alentejo e duas morreram eletrocutadas. Para evitar o seu declínio, o Instituto da Conservação da Natureza reforçou a monitorização, a correção de linhas de média tensão e a sensibilização junto de caçadores.



http://penatosambientalistas.blogspot.com/2010/10/aguia-imperial.html

terça-feira, 7 de junho de 2011

Caturras


origem: Austrália
data de origem: Kerr, 1792
esperança de vida: 15 a 20 anos
nome científico: Nymphicus hollandicus
família: Cacatuidae
tamanho: 30 para 34 cm

História

A Caturra foi descoberta em 1792 na Austrália. Esta ave habita a região interior do país e pode ser encontrada em zonas áridas ou semi-áridas, mas perto de rios. Foi exportada para a Europa na mesma altura que o Periquito, por volta dos anos 40 do século XIX.

O nome científico da Caturra tem raízes curiosas. O género Nymphicus atribuído a esta ave reflecte o encanto que os exploradores europeus sentiram quando a descobriram pela primeira vez. Nymphicus significa, traduzido à letra, pequena ninfa. A espécie hollandicus vem de Nova Holanda, o nome dado pelos exploradores à Austrália.

A classificação desta ave é bastante discutida e testes de DNA acabaram por retirá-la da família dos Psitáceos para categorizá-la como um membro da família das Catatuas, Cacatuidae. Entre as características que mais aproximam a Caturra das Catatuas está a crista eréctil e penas na base do bico.

As primeiras mutações desta espécie apareceram mais tardiamente. Em meados do século XX surgiram as mutações Pied e Lutino. Seguiram-se a cinnamon, pearl, cabeça branca e silver.

No seu país natal, a Caturra é vista como uma praga. Com uma população elevada, atacam os campos de sementes para se alimentaram. No resto do mundo são bastante cobiçadas, sobretudo as mutações mais raras que podem atingir um preço considerável no mercado de aves. A Caturra é uma das aves de estimação mais populares, rivalizando com o Periquito e o Canário.

Temperamento

A Caturra é um animal dócil, alegre e pouco barulhento. É uma das aves mais rápidas da Austrália, tendo um voo directo e ágil.

Pacífico, é ideal para aviários comunitários e partilha o espaço com outras aves mais pequenas e frágeis sem causar problemas. Mesmo alojada sozinha revela-se bastante afectuosa com o dono.

É conveniente arranjar um exemplar jovem e criado à mão se pretender que a Caturra interaja com humanos.

As Caturras podem-se mostrar algo nervosas em relação ao dono enquanto jovens, mas acalmam rapidamente, tornando-se dóceis. O canto prolongado dos machos torna-os mais populares do que as fêmeas como animal de estimação. Mas até aos três meses é difícil identificar os sexos visualmente, por isso se preferir um dos sexos em particular tem de fazer um teste de DNA.

Bastante gregárias, as caturras convivem bastante com indivíduos da mesma espécie se lhes for dada essa oportunidade. Geralmente acasalam para a vida com o mesmo parceiro e em estado selvagem são vistas a voar em grupo ou em pares.

Brincalhonas e activas, as caturras adoram trepar, roer e interagir com o dono. São capazes de imitar a voz humanas ou outros sons, apesar de terem um vocabulário mais limitado do que os papagaios.

Crista

A Caturra expressa o seu estado emocional através da crista. A crista mantida em baixo, significa que a ave está apreensiva. A Caturra consegue elevar a crista mantendo-a quase na vertical. Uma ligeira elevação, é a posição neutral da crista. Indica que a ave está relaxada. Uma elevação mais pronunciada indica excitação.

Aparência Geral

A Caturra é predominantemente cizenta com a zona das patas mais clara e zonas brancas nas asas. Na região das orelhas esta ave tem uma mancha redonda de cor laranja. Na cabeça, apresenta uma máscara amarela que varia em intensidade e tamanho. Nos machos, o amarelo é vivo e mais amplo, enquanto as fêmeas têm cores mais pálidas. Para distinguir os sexos, o método mais seguro é observar as penas interiores da cauda: as do macho são pretas, enquanto as das fêmeas são acastanhadas e com padrão. As aves jovens são similares às fêmeas adultas. Até aos três meses, apenas é possível distinguir os sexos através de testes de DNA.

Um dos traços mais distintos da Caturra é a crista. A Caturra pode subir ou baixar a crista quando deseja. Esta é geralmente indicadora da disposição da ave.

Alojamento

A Caturra é uma ave activa que necessita de algum espaço para se movimentar. O seu bico não é tão destrutivo como o da maioria dos papagaios, por isso a gaiola ou aviário não necessita de ser tão resistente. As gaiolas devem permitir que a Caturra exiba a crista sem a danificar e que abra complemente as asas sem que toque num dos lados. As medidas mínimas para uma gaiola são 60 cm x 60 cm. Com este tipo de alojamento, a Caturra deve ser retirada da gaiola frequentemente para interagir e exercitar-se.

Um aviário para um casal de Caturras deverá ter 180 x 90 x 180 cm. Nestes casos entende-se que o tempo fora do aviário será nulo ou mínimo.

A Caturra é um animal bastante resistente, mas se for alojado no exterior, deverá ter abrigos e zonas exteriores protegidas de correntes de ar. Em locais mais frios, pode necessitar de um aquecedor.

Brinquedos, troncos ou locais de poiso são obrigatórios. Baloiços e banheira são sempre bem-vindos.

Existem rações comerciais preparadas para Caturras. Idênticas às rações de periquitos, estas podem também ser uma boa opção.

Alimentação

Entre as sementes base da alimentação da Caturra estão o milho painço, aveia descascada, sementes de girassol e cânhamo. Para complementar, a Caturra aprecia também vegetais e fruta. A maçã é uma boa guloseima.

O osso de calcário deve estar sempre disponível.

O mais preocupante problema de saúde encontrado nas Caturra é o stress, provocado pela solidão ou mudanças súbitas. As Caturras em stress arrancam as penas. Entre as Caturras mais sensíveis, estão as caturras lutino, onde este problema é mais comum. Também nesta mutação é preciso particular atenção à zona atrás da crista, onde a manifestação de uma zona sem penas é comum e indesejável. A zona careca não é provocada pelo arrancar de penas da Caturra, uma vez que ela não tem acesso a essa área, mas é considerado um defeito da ave.

Mutações

Lutino – Esta é uma das mais cobiçadas mutações de Caturras. Desenvolvida em 1950s pela norte-americana Moon, as caturras lutino ficaram inicialmente conhecidas como “Moonbeams”, que significa luar. O corpo das aves é despojado do cinzento característico que é substituído por branco ou amarelo. A cabeça mantém a cor amarela e as orelhas permanecem laranjas. Diferenciar os sexos pode ser complicado, mas as fêmeas apresentam um padrão na cauda.

Cara branca (White faced) – Os machos apresentam a cabeça de cor branca, em vez do tradicional amarelo. As fêmeas apresentam a cabeça acizentada.

Cinnamon (Canela) – O cinzento adquire uma tonalidade acastanhada. As restantes cores mantém-se.

Albino - Sem capacidade de produzirem pigmentação, estas aves são branco puro de olhos vermelhos. Não é possível distinguir os sexos visualmente.

Pearl (Pérola) – Esta mutação surgiu em 1967 na Alemanha. O centro das penas torna-se mais claro do que as extremidades. Pode ser combinado com várias cores base.

Pied – Padrão que intercala zonas de penas mais claras com zonas mais escuras.


Fonte
http://avesdobugio.blogspot.com

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Diamante Mandarim






origem: Austrália, Indonésia, Timor, Sonda
data de origem: 1817
esperança de vida: 8 anos
nome científico: Taeniopygia guttata
distribuição: Austrália
família: Estrildidae
tamanho: 10 para 12 cm


É o mais conhecido dos diamantes, sendo muito vulgar em todos os aviários nas suas variedades coloridas: o cinzento, o branco, o isabel, o prateado... A forma original no entanto é a de corpo cinzento com cauda preta atravessada por faixas brancas, garganta e peito estriados a preto e branco até se encontrar com o ventre, onde termina numa risca preta. Nos flancos laterais que bordejam o ventre branco existe uma mancha longitudinal cor de laranja penteada a branco. O bico é vermelho vivo e em ambas as faces do macho existe uma mancha cor de laranja que falta na fêmea, permitindo portanto uma perfeita diferenciação dos sexos. O mandarim branco macho diferencia-se da fêmea pelo colorido vermelho mais intenso do bico.

O mandarim aprecia imenso a verdura, sobretudo a alface e os espinafres, que no entanto deve ser fornecida dia sim, dia não. Gosta igualmente de papa de ovo cozido e de concha de choco. Na Primavera convém adicionar à água ou às sementes um pouco de óleo de fígado de bacalhau.

Vive perfeitamente em gaiola ou em aviário, mas tem tendência para monopolizar os ninhos, pelo que convém dispor sempre de um grande número de pequenas caixas de madeira de 10 cm de lado com um orifício de entrada de 3 a 4 cm de diâmetro. O Mandarim não é, no entanto, tão exigente que não possa aproveitar outros tipos de ninho desde simples tigelas, a caixas de plástico e até note-se bem velhos chapéus de palha ou vasos de flores. Convém pôr à sua disposição o material para confeccionar o interior, sobretudo crina e caruma seca de pinheiro. Alguns avicultores colocam mesmo nos aviários ramadas de pinheiro que os mandarins vão utilizando a pouco e pouco, aproveitando inclusivamente para fazer os ninhos nesse local.

Os ovos, em número variável de 4 a 9, levam 12 dias a incubar e as crias saem do ninho geralmente ao fim de 25 dias. Os mandarins são tão prolíferos que fazem nova postura logo a seguir, sendo por isso conveniente retirar-lhes os ninhos entre Outubro e Março, a fim de os não cansar demasiado. Também é preferível esperar que atinjam 6 meses para fazerem a 1a postura, embora fossem perfeitamente capazes de o fazer aos 3 meses.

Características Gerais:

Tipo:

As diferentes partes do corpo deverão estar em harmonia. A ave não deve ser nem muito magra nem muito gorda. O peito é bem arredondado, sem angulações ou parte inferior pesada. A nuca não é muito arredondada e não apresenta nem concavidades nem saliências. As asas, bem aderentes ao corpo, não ultrapassam a linha do dorso, sem estar cruzadas nem descaídas. As penas da cauda são arredondadas e bem cerradas. Os dedos e as unhas devem ter um aspecto bem cuidado. As patas sem escamas.

Tamanho - Forma

O comprimento total do Diamante Mandarim, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 11,5 cm. As espáduas largas, a cabeça grande e o peito cheio dão à ave uma massa harmoniosa. A cabeça é bem arredondada e a fronte pouco abaulada. O bico é cónico, limpo, com a parte superior lisa.

Atitude

A posição ideal do Diamante Mandarim apresenta um ângulo aproximado de 45º em relação ao plano horizontal. As pernas são ligeiramente flectidas.

Cor:

Todas as cores da cabeça, da nuca, do dorso, do peito, do ventre, da cauda, das bochechas e dos flancos devem corresponder à descrição do “standard”. O mesmo se aplica ao bico e às patas.

Desenho

Compreende todas as marcações características visíveis específicas de cada mutação ou combinação de determinada da ave.

Plumagem:

A plumagem deve ser cuidada, brilhante, lisa e bem aderente ao corpo.

http://avesdobugio.blogspot.com/

A Fauna e Suas Belezas !


AVES DO MEU TEMPO

smileys falando

.

.
Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês.Quando fechas o livro, eles alçam vôo como de um alçapãoEles não têm pouso nem portoalimentam-se um instante em cada par de mãos e partem.E olhas, então, essas tuas mãos vazias,no maravilhado espanto de saberes que o alimentodeles já estava em ti... (Mario Quintana) .

.

.
.

...

...
"A renovação (águia de Fogo) Fenix ...devemos aprender com a águia, a ave que voa mais perto do Céu, que vê longe e também tem mais tempo de vida. Ela pode viver até 70 anos! Mas, para chegar a essa idade, ao chegar aos 40 anos, ela precisa tomar uma decisão muito difícil. Devido às suas unhas estarem muito encurvadas, já não consegue mais agarrar suas presas para se alimentar. E seu bico, longo e pontiagudo, fica curvado, voltando-se contra seu peito. As suas penas crescem e se avolumam demais, de forma que suas asas tornam-se pesadas e, assim, fica difícil para ela voar. Para continuar a viver, ela tem de enfrentar um doloroso processo de renovação, o qual dura 150 dias. Ela se dirige a algum lugar próximo a uma parede – onde não necessite voar. Então, começa a bater o bico contra a pedra, até arrancá-lo. Depois, espera até que lhe cresça um bico novo, para que possa desprender suas unhas, uma por uma. Em seguida, espera que estas cresçam, para que possa arrancar as penas. A águia tem de decidir arrancá-los para que estes sejam renovados. Assim, com o bico, as unhas e asas novas, ela pode voar e sobreviver novamente.”
Related Posts with Thumbnails