Seguidores

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Que passarinho é esse mãe?


Cacatua-preta (Probosciger aterrimus)

Pois é né... É muito comum as pessoas se referirem a todo animal de bico e pena por PASSARINHO. Mas, aos ouvidos de quem entende, isso dói, e dói muito.

O "Globo Repórter", aquele programa da Rede Globo que insiste em passar notícias para informar as pessoas, muitas vezes (pra não dizer todas as vezes), peca quando mencionam sobre animais. Infelizmente eles não costumam passar seus textos para uma pessoa experiente (um biólogo) que entende do assunto para revisar a matéria e impedir de ir ao ar essas besteiras. Eu mesmo já perdi as contas de quantas vezes já mandei e-mails fazendo correções e nada de me responderem decentemente. O que eu recebo são frases prontas: "Obrigado. Sua sugestão foi enviada para o departamento competente e blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá".

Então, vendo essa dificuldade, deixo um texto, adaptado, colhido no Atualidades Ornitológicas pelo site www.ao.com.br, onde explica direitinho que: NEM TODAS AS AVES SÃO PÁSSAROS!



David Attenborough, em sua monumental obra A VIDA NA TERRA, afirma que "A pena é algo extraordinário, é uma substância a que poucas se comparam como isolante término e nenhuma, seja de origem animal ou fabricada pelo homem, a supera como material de vôo. ... As características que distinguem as aves dos outros animais estão quase sempre ligadas, de uma forma ou de outra, aos benefícios trazidos pelas penas. Na realidade, o simples fato de possuí-las é suficiente para definir uma criatura como ave". Mas o que dizer dos familiares classificados dos jornais: ANIMAIS e AVES? Notório contra-senso! Melhor seria dizer AVES e OUTROS ANIMAIS.


Flamingo-americano (Phoenicopterus ruber ruber)

Outro deslize relativamente comum é freqüente na televisão. Programas como MUNDO ANIMAL, por exemplo, extremamente meritórios por seu excelente conteúdo, deveriam contar com rigorosa assessoria científica quando de sua versão para o Português, evitando que aves como garças, tucanos, araras e outras continuem sendo denominadas pássaros, o que constitui erro palmar. Também as publicações dedicadas a Ornitofilia, Ornitologia Amadora e assuntos correlatos estampam com assiduidade títulos do tipo "PERIQUITOS ONDULADOS, PÁSSAROS MARAVILHOSOS", "AGAPORNIS, PÁSSAROS DO AMOR" etc. Ora, que o leigo cometa tais equívocos é compreensível e até perdoável, mas, deve confessá-lo, quem tem algumas noções de Ornitologia não os engole sem veementes protestos!



Agapornis personata

Rodolpho von Ihering, um dos maiores naturalistas deste País, já frisava em sua obra magna, o DICIONÁRIO DOS ANIMAIS DO BRASIL: "Pouca gente costuma fazer distinção com valor classificativo, no emprego dos vocábulos ave e pássaro, peculiares à nossa língua e à espanhola. O francês emprega indiferentemente oiseau, tanto ao designar o avestruz como o pardal e da mesma forma Vogel em alemão e bird em inglês aplicam-se a qualquer vertebrado plumado. Mas ninguém, falando corretamente nossa língua, dirá que a ema, o gavião e o papagaio sejam pássaros". O mestre até exemplifica: "Termos ouvido definir que pássaros são as aves pequenas. Estará certa? O bem-te-vi é um pássaro, mas a rolinha, muito menor, pode ser designada assim? Certamente que não, pois a rola é uma pomba e os representante desta ordem não são pássaros, porém aves, como as galinhas".




Depreende-se, portanto, a existência de valor classificativo para a palavra pássaro. Todos os vertebrados providos de penas são aves, inclusive os pássaros. Estes, porém, pertencem a um grupo zoológico bem caracterizado, constituindo a ordem Passeriformes. E a ela não se filiam tuins, andorinhões e nem mesmo os beija-flores, apesar de suas reduzidas dimensões. Daí se deduz que, se quisermos empregar com exatidão os vocábulos ave e pássaro, a noção de tamanho deve ser completamente abandonada, levando-se em conta apenas o critério de classificação. Pássaros, só os Passeriformes, que têm bico desprovido de membrana na base, tarsos isentos de penas, pés com três dedos dirigidos para a frente e um para trás e unha do dedo posterior mais forte que a dos anteriores, dos quais os dois interiores são ligados entre si na base.

Já que, para o leigo, isso não quer dizer muito, embora elimine uma série de espécies (todas as que têm dois dedos dirigidos para a frente e dois para trás, por exemplo, incluindo-se aí os menores pica-pauzinhos), a única maneira prática de esclarecê-lo é relacionando todas as famílias de Passeriformes que ocorrem no Brasil:

Cerebídeos (saís, cambacicas etc);
Corvídeos (gralhas);
Cotingídeos (arapongas, anambés, pavó, crejoá, corocochó etc.);
Dendrocolaptídeos (arapaçus e subideiras);
Estrildídeos (bico-de-lacre);
Formicariídeos (chocas, tovacas, papa-formigas etc);
Fringilídeos (azulão, curió, bicudo, canário-da-terra, cardeal, patativa, caboclinho, papa-capins, tico-ticos, trinca-ferro, tiziu etc);
Furnariídeos (joões-de-barro, bentererês, trapadores etc);
Hirundinídeos (andorinhas);
Icterídeos (chupim, pássaro-preto, graúnas, japus, corrupião etc);
Mimídeos (arrebita-rabo, sabiá-da-praia, japacanim);
Motacilídeos (caminheiros);
Oxiruncídeos (bico-agudo);
Parulídeos (pula-pulas, pia-cobra, mariquitas);
Piprídeos (tangarás, fruchus, rendeira, flautim etc);
Ploceídeos (pardal);
Rinocriptídeos (macuquinhos, tapaculo-preto etc);
Sulviídeos (balança-rabos, chiritos, bico-comprido);
Tersinídeos (saí andorinha);
Tiranídeos (bentevis, suiriris, sebinhos, tesouras, viuvinha etc);
Traupídeos (sanhaços, saíras, gaturamos, tiês, pipiras etc);
Trogloditídeos (corruíras, garrinchas etc);
Turdídeos (sabiás);
Vireonídeos (pitiguari, juruviaras, verdinho-coroado).

Como se vê, a quantidade não é pequena. Das cerca de 1.590 espécies de aves presentes no País (segundo o prof. Helmut Sick), quase 900 são pássaros. É importante atentar para os casos de evolução convergente, não confundindo com pica-paus os arapaçus (Dendrocolaptídeos), que se comportam como aqueles (Picídeos, da ordem Piciformes) mas possuem três dedos dirigidos para a frente e um para trás. O mesmo se diga de andorinhas (Hirundinídeos) e andorinhões. Estes, da família Apodídeos, não são pássaros, pertencendo à mesma ordem dos beija-flores (Apodiformes). Também os tuins, periquitos e similares nada têm a ver com pássaros, por menores que sejam (integram a família Psitacídeos e ordem Psitaciformes). Analisando-se com atenção as famílias que compõem a ordem Passeriformes no Brasil e seus respectivos exemplos não há como errar, evitando-se o emprego incorreto de uma palavra que, em nossa língua, tem valor classificativo.




Portanto, todos os pássaros são aves, mas nem todas aves são pássaros!

ATUALIDADES ORNITOLÓGICAS
OTÁVIO SALLES, Jacutinga-MG

Depois dessas informações bem bacanas deixo uma pergunta: O QUE HÁ DE ERRADO COM O LORO JOSÉ, DA ANA MARIA BRAGA?

É isso aí pessoal, por hoje é só.
Fonte do texto e Imagens
http://danianderson.blogspot.com/2009/07/que-passarinho-e-este.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Fauna e Suas Belezas !


AVES DO MEU TEMPO

smileys falando

.

.
Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês.Quando fechas o livro, eles alçam vôo como de um alçapãoEles não têm pouso nem portoalimentam-se um instante em cada par de mãos e partem.E olhas, então, essas tuas mãos vazias,no maravilhado espanto de saberes que o alimentodeles já estava em ti... (Mario Quintana) .

.

.
.

...

...
"A renovação (águia de Fogo) Fenix ...devemos aprender com a águia, a ave que voa mais perto do Céu, que vê longe e também tem mais tempo de vida. Ela pode viver até 70 anos! Mas, para chegar a essa idade, ao chegar aos 40 anos, ela precisa tomar uma decisão muito difícil. Devido às suas unhas estarem muito encurvadas, já não consegue mais agarrar suas presas para se alimentar. E seu bico, longo e pontiagudo, fica curvado, voltando-se contra seu peito. As suas penas crescem e se avolumam demais, de forma que suas asas tornam-se pesadas e, assim, fica difícil para ela voar. Para continuar a viver, ela tem de enfrentar um doloroso processo de renovação, o qual dura 150 dias. Ela se dirige a algum lugar próximo a uma parede – onde não necessite voar. Então, começa a bater o bico contra a pedra, até arrancá-lo. Depois, espera até que lhe cresça um bico novo, para que possa desprender suas unhas, uma por uma. Em seguida, espera que estas cresçam, para que possa arrancar as penas. A águia tem de decidir arrancá-los para que estes sejam renovados. Assim, com o bico, as unhas e asas novas, ela pode voar e sobreviver novamente.”
Related Posts with Thumbnails